Calvário

 

Gonçalo Guedes, 1589-1594

Pintura a óleo sobre madeira

Proveniência: extinto Mosteiro das Chagas de Lamego. Coro-alto da igreja

Inv. 120

A pintura atribui-se a Gonçalo Guedes, um dos mais destacados pintores a trabalhar em Lamego, nascido em 1559 e com atividade documentada até 1600, a quem se atribuem duas efígies do bispo D. António Teles de Meneses, o seu protetor.

A pintura encontrava-se no coro alto da igreja do Mosteiro das Chagas, que foi fundado, em 1588, por este  bispo. Seguindo uma estampa de Zacharias Dolendo, domina todo o espaço central da composição, Cristo crucificado, moribundo e de rosto caído, com o torso assumindo uma elegante pose, inspirada em Luís de Morales, “el Divino”, o célebre pintor maneirista de Badajoz. A Virgem, à esquerda, numa atitude protetora, coloca a mão sobre o ombro da figura do doador. No lado oposto, São João Evangelista, de manto vermelho e rosto imberbe e, aos pés da cruz, Maria Madalena.

O fundo sombrio e carregado de nuvens acentua o ambiente de dor e de consternação que as personagens de modo contido sugerem.

A avaliar pelas características da moldura, este grandioso terá sido quase integralmente refeito no século XVIII. Na parte superior verifica-se um corte e acrescento do suporte, que afetaram parte da cruz e dos braços de Cristo, enquanto, na parte inferior, Maria Madalena e o doador ficaram reduzidos ao nível do busto.