Mestres de Ferreirim chegam em forma de e-book

Faça download…

Apresentar uma releitura das tábuas dos denominados “Mestres de Ferreirim” foi o grande desafio de “A Pintura Quinhentista do Convento de Santo António de Ferreirim”. Três anos depois da sua publicação, a obra passa agora a estar também disponível em forma de e-book, prosseguindo o Museu de Lamego e Vale do Varosa a sua política de partilhar o conhecimento produzido com o maior número de pessoas possível.

Considerado uma contribuição relevante para o conhecimento da parceria que no século XVI trouxe a Ferreirim os pintores Cristóvão de Figueiredo, Garcia Fernandes e Gregório Lopes, o estudo do investigador Vítor Gaspar alia aos tradicionais métodos de abordagem os mais recentes métodos laboratoriais de estudo material das obras de arte.

Em “A Pintura Quinhentista do Convento de Santo António de Ferreirim”, ao longo das cerca de 100 páginas que compõem a obra, Vítor Gaspar procura dar resposta a “velhas” questões em debate na historiografia da arte portuguesa: Será que se conhecem realmente as pinturas que o Infante D. Fernando, filho de El Rei D. Manuel I, contratualizou com Cristóvão de Figueiredo? Em que fase da empreitada participam Garcia Fernandes e Gregório Lopes? Qual a contribuição de cada um? Existem pontos de contacto entre os três pintores? Como se processou o trabalho de parceria?

As respostas estão agora acessíveis através da publicação online de “A Pintura Quinhentista do Convento de Santo António de Ferreirim”, obra que será, porventura, a mais completa sobre o génio da parceria dos “Mestres de Ferreirim”.

O Convento de Santo António de Ferreirim integra desde 2009 o projeto Vale do Varosa, que assenta na criação de uma rede de monumentos abertos de forma integrada à fruição pública, tendo como núcleo principal, além de Ferreirim, os Mosteiros cistercienses de São João de Tarouca e de Santa Maria de Salzedas. Desde 2014 a rede conta com mais dois membros, a Ponte Fortificada de Ucanha e a Capela de São Pedro de Balsemão.

Vítor Gaspar

Licenciado e mestre em Conservação e Restauro pelo Instituto Politécnico de Tomar, Vítor Gaspar possui ainda bacharelato em Engenharia Química Industrial e Diploma de Estudos Superiores Especializados em Arte, Arqueologia e Restauro pelo Instituto Politécnico de Tomar; mestre em Teorias da Conservação e Restauro do Património Artístico e Urbanístico e doutorado em História da Arte pela Universidade Lusíada de Lisboa; Especializado em Análise Cientifica Aplicada ao Restauro de Obras de Arte, pelo Instituto para a Arte e Restauro em Florença, Itália, e em Prática de aquisição de Espectros Raman, pelo Laboratório de Espectroscopia de Raman da JobinYvon, Paris, França. É docente na Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Tomar, onde é responsável pelos Laboratórios de Física, Química e Raios X.